Coisas da janela PDF Imprimir E-mail

 

FORÇA JOVEM

Estes poemas vem provar que os jovens não andam alienados, como muita gente poderia imaginar. Estão eles realmente engajados na construção de uma sociedade mais justa, com muita paz, muito amor. Um mundo melhor. E a poesia é o melhor caminho para nos levar a um mundo de sonho, de beleza, de comunicação e – por que não? – a uma revolução social, através da palavra, identificando valores, legitimando idéias e captando sentimentos.

Foi com imenso prazer que li os poemas de Luciano Esteves Mendes, que ora se revela poeta. Poeta jovem, mal saindo da adolescência. Se ainda não adquiriu a técnica dos mestres o que é natural, trás ele consigo a sensibilidade que marca os verdadeiros poetas: “Sem querer, uma poesia/ Sai de mim. / Penso no nada/ Vejo tudo que há/ Dentro de mim”.
Luciano, nos seus verdes anos, pensa na fugacidade de vida e sente que tem muita coisa a descobrir, mas confia no futuro, como é certo nos moços de ideal: ”Percebo a fugacidade, / Nos limita a idade/ Penso: deve haver algo/ Como se um lago/ Cheio de garças/ E graças... / Vou infinitas imaginações/ Por segundo. / Mergulho num poço/ Seu ter fundo/ A alegria que o mundo/ Ainda há de pintar/ Pra eu poder sonhar...”.

Nos versos bonitos de Luciano Esteves Mendes estão presentes o vinho, a lua e o violão, que se transfundem, num inebriante licor: “Essa essência/ Que relaxa minha timidez/ Embriaga minha inocência/ Me ensina poesia/ Numa noite fria/ Quente em meus lampejos/ Repletos de desejos”. E a música? “Música é a fecundação/ Do amor à arte/Em qualquer parte/ Inunda o coração”. E há sonho, paixão, vida, sorriso, mocidade, pessoas e lugares nos poemas de Luciano, numa linguagem distinta, suave, bem elaborada, às vezes elíptica, geralmente terna, cheia de calor humano.
Pela sensibilidade, talento e inteligência, Luciano Esteves Mendes, com este seu livro de estréia, já pode ser considerado uma força jovem a valorizar significativamente a literatura de nossa terra.

Kleber Rocha
Da Academia Municipalista de Letras de
Minas Gerais (AMULMIG) e Da União Brasileira de Escritores (UBE)


--------------------------------------------------------------------

                        COISAS DA JANELA

                              Por essas,
                              Meu peito
                              Bate como asa
                              E na casa
                              Faz um leito
                              Pra ninar
                              As estrelas
                              Em sua janela
                              Fico a contar
                              Histórias pra lua
                              Minguando a rua
                              Já um deserto
                              E aperto
                              Uma sorte
                              Entre os medos
                              Sem que a morte
                              Ou qualquer segredo
                              Venha me varrer.

 

 

 

                              UM ROMANCE

                            Manhã... Tarde...Noite...
                            A manhã assanha a tarde
                            A tarde arde à noite
                            A noite manha a manhã
                            Tarde da noite
                            Não dá mais
                            Só a-ma-nhã
                            Nem de tarde
                            Nem de noite
                            Nem de manhã

 

 

 

                         CRUZ E ESPADA

                            E aí coração?!
                            Como vai sobreviver
                            A tanta ilusão
                            E não saber
                            Quando achar
                            Caminho real...
                            Agonia,
                            Dilacera no peito
                            A magia
                            De um moço, feito
                            Um desvairado pássaro
                            Sob a vigília de um caçador
                            Coração gira
                            Como um Cata-vento
                            Não pára um momento...